Cel/Whats: (66) 9 9687-7993 | (66) 9 9619-3966

E-mail: redacao@mtnews.jor.br | facebook.com/mtnews



Arcanjo é ouvido pela polícia e nega envolvimento com jogo do bicho

09/06/2019

O que chamou a atenção é que todos os presos ouvidos estão com a cabeça raspada e Arcanjo não, o que levanta suspeita de algum tipo de favorecimento

João Arcanjo Ribeiro e outras duas pessoas foram ouvidas pela equipe da Polícia Civil que coordena a Operação Mantus, que investiga o jogo do bicho em Mato Grosso. Arcanjo negou envolvimento com jogo do bicho. De acordo com a polícia, mesmo negando há indícios que apontam que ele tem ligação, já que foram encontradas planilhas e também R$ 200 mil em espécie na casa dele.

Os delegados ouviram também os depoimentos dos suspeitos de recolher dinheiro de apostas da empresa FMC ELLO. Rosalvo Ramos de Oliveira e Laender dos Santos falaram como era o trabalho deles na organização criminosa. Durante a Operação Mantus, a Polícia Civil prendeu 29 pessoas e quatro estão foragidas.

O que chamou a atenção é que todos os presos ouvidos estão com a cabeça raspada e Arcanjo não, o que levanta suspeita de algum tipo de favorecimento.

A administração penitenciária afirmou, por meio de nota, que o fato de não ter cortado o cabelo de João Arcanjo Ribeiro não significa que ele tenha recebido privilégio de qualquer natureza, sendo aplicados os procedimentos operacionais previstos. A gestão penitenciária determinou também à direção da Penitenciária Central do Estado (PCE) que o preso receba o tratamento que é dispensado a todos os custodiados na unidade.

O delegado Flávio Stringueta disse que a situação é constrangedora. “Está tendo sim algum tipo de privilégio. Fica feio para o diretor da PCE essa situação do Arcanjo ser o único preso que não teve o cabelo raspado. É constrangedor e eu não aceitaria uma coisa dessa”, afirmou.

Grupo de notícia Estado



Video publicitário

VIDEOS

Clima | Tempo

Jornal Impresso