Cel/Whats: (66) 9 9687-7993 | (66) 9 9619-3966

E-mail: redacao@mtnews.jor.br | facebook.com/mtnews



Carlos Fávaro sabia de suposto caixa 2, afirma delator

22/04/2019

O ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD) saberia de todo o esquema de Caixa 2 de campanha que envolveu a candidatura do ex-governador Pedro Taques (PSDB) em 2014. Pelo menos é o que revela o ex-secretário de Educação Permínio Pinto (PSDB) em sua delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a qual A Gazeta teve acesso.

De acordo com o delator, Carlos Fávaro teria levado ao então governador da época Pedro Taques, uma proposta de um empresário, que queria utilizar o dinheiro devolvido da JBS em um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para quitar as dívidas de campanha via Caixa 2.

“Fávaro teria dito que um empresário lhe deu a ideia para que eles se aproveitassem de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com a JBS/Friboi para que a empresa pagasse as dívidas de campanha”, diz trecho do termo 5 da delação. Ainda segundo Permínio Pinto, Fávaro teria procurado Pedro Taques para falar da sugestão. Porém, Permínio diz que Fávaro lhe teria dito que o governador negou a ideia, “não sabendo dizer se não fez ou se fez”.

O referido TAC entre o governo de Mato Grosso ocorreu em dezembro de 2015 e resultou na devolução de R$ 360 milhões ao Estado, em troca de que a empresa do irmãos Batistas (Wesley e Joesley) fosse excluída como partes da ação de improbidade que teria bloqueado R$ 73,5 milhões do envolvidos.

Permínio afirma que, antes, em abril de 2015, se reuniu com Fávaro, que já era vicegovernador e confirmou que a campanha eleitoral teria ficado em R$ 35 milhões, e não R$ 29 milhões como foi declarado à justiça eleitoral. “Carlos Fávaro disse ao declarante que o empresário Alan Malouf era responsável pelas doações de campanha e captação de empresários para apoiar a candidatura”, disse Permínio.

Gravação

Logo após a deflagração da Operação Rêmora em maio de 2016 e da sua saída da Seduc, o delator teria sido procurado por vários membros do governo Taques, entre ele o então vice-governador Carlos Fávaro. Em um jantar na casa do próprio Fávaro, Permínio o teria gravado através de um celular, já que estava com medo de ser ameaçado e coagido pela cúpula do governo.

“Um ex-procurador da República, que prende o comendador Arcanjo não pode se expor tanto, O que parece é que os modus operandi do governo atual é idêntico do governo passado”, teria dito Fávaro, mostrando sua indignação. A frase estaria entre 53 e 56 minutos da gravação feita pelo delator.

Outro Lado

Procurado pela reportagem Carlos Fávaro diz que fica indignado com o envolvimento do seu nome em delações. E disse ainda que, como membro do governo passado, sempre levava a Pedro Taques (PSDB) os assuntos que eram comentados. “Como parte do governo sempre ajudei a resolver os problemas. Mas muitas das vezes que levava as informações que ouvia, não eram tratadas com prioridade, o que me causava uma certa decepção”, disse.

“Nunca me envolvi em nenhuma irregularidade por conta dos meus princípios”, completa. Já o governador Pedro Taques (PSDB) diz não acreditar que Carlos Fávaro tenha falado sobre dívidas de campanha para Permínio Pinto e que o acordo com a JBS foi assinado juntamente com o Ministério Público Estadual. Já em relação ao suposto esquema de caixa 2, Taques lembra que as contas suas e de Fávaro, de campanha, foram aprovadas pela justiça eleitoral.

Grupo de notícia Estado



Video publicitário

VIDEOS

Clima | Tempo

Jornal Impresso