Cel/Whats: (66) 9 9687-7993 | (66) 9 9619-3966

E-mail: redacao@mtnews.jor.br | facebook.com/mtnews



Sorriso - Produtor matou engenheira sem motivo

10/11/2019

delegado André Ribeiro afirma que não há dúvidas de que Jackson Furlan, de 29 anos, foi o autor do disparo que tirou, aos 28 anos, a vida da jovem engenheira agrônoma Julia Barbosa de Souza. Ela morreu com um tiro na cabeça, na madrugada deste sábado (9), em Sorriso.

“É um crime bárbaro e repugnante para nós da Polícia Civil e da sociedade de bem de Sorriso. Nossos investigadores passaram, incansavelmente, o sábado todo na rua, batendo de casa em casa atrás de câmeras que pegassem as imagens desse suspeito”, disse o delegado à imprensa local.

Jackson se entregou, acompanhado de advogado, no final da tarde deste domingo (10). Preso preventivamente, ele passa por audiência de custódia nesta segunda (11). Pela manhã, a caminhonete Hillux branca conduzida por ele na hora do crime tinha sido encontrada por policiais militares em uma região de mata, no bairro Rota do Sol. O delegado revela, entretanto, que por volta das 20h deste sábado já se sabia o nome do suspeito e pedido de prisão preventiva foi autorizado por volta da 1h da madrugada de hoje.

Na coletiva, o delegado narrou que Julia que estava com vontade de comer chocolate e pediu ao namorado. O casal saiu de carro, passaram na conveniência de um posto de gasolina e rapidamente compraram o alimento. Saíram na avenida Natalino Brescansin, onde os dois e Jackson se encontraram pela primeira vez.

"Só para deixar claro: não teve discussão no trânsito! Não teve ofensas, não teve xingamentos. Não teve nada disso. O vidro da caminhonete da vítima estava fechado o tempo todo. Não teve troca de farpas verbais entre os dois", enfatiza o delegado.

Ainda segundo ele, foi possível verificar que Jackson estava com pressa e queria fazer a ultrapassagem. Num primeiro momento, havia a informação que o casal teria ultrapassado ele e outro Gol. "Estava acelerando e mostrava-se furioso porque o trânsito era lento no local. Mas aquela avenida não permite ultrapassagem. É muito movimento de pessoas ali", salienta André.

A partir daí, Jackson se irritou com o casal e teria começado a perseguição de carro pela cidade. O namorado, que conduzia também uma caminhonete, tentou despistá-lo e conseguiu por um momento. O motorista entrou em uma rua errada, mas viu o carro, deu a ré e voltou a perseguir os dois.

Segundo o delegado, o casal tentava a todo o momento fugir de Jackson. Imagens de câmeras de segurança mostram os dois tentando despistá-lo, garante André. Mas, ao chegar perto do Hospital 13 de Maio (privado), o suspeito abaixou o vidro do lado do carona e efetuou um único disparo que atingiu a lateral da cabeça de Júlia.

Daí em diante, a história é conhecida. O namorado levou Júlia a este mesmo hospital. Mas a engenheira não resistiu aos ferimentos e veio a morrer. Desde então, começou a busca por Jackson, que fugiu em direção a MT-242 e abandonou o carro. Após a prisão do suspeito ser decretada, o advogado entrou em contato com a delegacia e informou que seu cliente iria se apresentar.

Diante do delegado André, Jackson ficou em silêncio. A orientação foi de seus advogados. Ele não tem passagens pela polícia e se diz produtor rural. "Pelo que levantamos, ele não tem grandes posses", disse o policial. A caminhonete conduzida por Jackson pertence à outra pessoa. Ainda não há informações do paradeiro da arma, já que o suspeito não falou sobre isso também. O delegado acredita, pela munição encontrada no carro do namorado da vítima, que se tratava de um revólver .38.

O delegado esclareceu ainda um boletim de ocorrência registrado por Jackson na última quinta (7). Alegou que sua residência foi alvo de furto e levaram R$ 60 mil. Mas, André não acredita na história, já que a casa está abandonada. "Não tem esse valor todo não", disse. André acredita que faltam poucos dias para terminar o inquérito e encaminhá-lo ao Ministério Público. Para o delegado, a autoria do homicídio "já está aprovada". Restam somente as perícias nos carros e a necropsia da vítima.

Grupo de notícia Estado



Video publicitário

VIDEOS

Clima | Tempo

Jornal Impresso